Transtorno borderline: o que é, quais são as causas e como tratar

Você certamente já conheceu alguém muito instável, insegura, com humor oscilante e medo extremo de ser abandonado. Uma pessoa que parece ir do céu ao inferno emocional em questão de segundos. Ao se deparar com esse perfil, avalie antes de julgar, porque pode ser um caso sério de transtorno Borderline.

Caso você já tenha escutado o termo, mas ainda tem dúvidas do que se trata, não perca essa leitura! Neste post, você vai compreender o que é o Transtorno de Personalidade Borderline (TPB), quais as causas, os sintomas e como é feito o tratamento. Continue!

O que é Transtorno Borderline?

Segundo os estudos na área da psicopatologia, o Borderline é definido como um transtorno de personalidade. Suas características mais evidentes são impulsividade, instabilidade emocional, humor oscilante, baixa autoestima e autoimagem distorcida.

Também conhecido como transtorno de personalidade limítrofe, o termo “Borderline” sugere que o indivíduo vive às margens ou no limite de suas emoções. Essa confusão emocional, regida também pelo medo da rejeição, interfere significativamente na qualidade dos relacionamentos interpessoais, tornando os vínculos frágeis e insustentáveis.

Trata-se de um quadro difícil de ser identificado. Isso porque seus sintomas indicam semelhança com alguns outros transtornos, como o bipolar, o que pode levar a um diagnóstico impreciso ou equivocado.

Quais as causas e os sintomas?

Não há um fator específico que dê origem a esse problema. O que existe é uma junção de diferentes agentes desencadeadores. Os aspectos mais levantados como causas do transtorno Borderline são:

  • predisposição genética;
  • disfunção neurológica;
  • abuso sexual ou outra experiência traumática na infância;
  • separação abrupta de pessoas muito próximas;
  • vivência de negligência e abandono;
  • bullying ou outro tipo de exposição contínua ao desgaste emocional e ao abuso psicológico.

Já os principais sintomas que fazem parte do quadro Borderline incluem:

  • insegurança extrema e medo de abandono;
  • instabilidade emocional;
  • baixa autoestima e percepção deturpada de si;
  • impulsividade e comportamento compulsivo;
  • demonstração inadequada de raiva;
  • tendência ao suicídio e à automutilação;
  • intolerância à frustração.

Existe tratamento para esse problema?

Além de o transtorno Borderline trazer intenso sofrimento psíquico e prejudicar as relações do indivíduo, também é um fator motivador do abuso de drogas e álcool e de outros comportamentos destrutivos. Por se tratar de um quadro que pode se agravar, é imprescindível buscar acompanhamento com especialistas.

O Borderline é considerado como uma condição limítrofe, ou seja, ele habita no limite entre a saúde mental e o estado patológico. Devido a isso, é importante avaliar a especificidade de cada caso e definir o tratamento que melhor se aplicar. Por exemplo, há quadros mais leves que precisam somente de psicoterapia, enquanto outros necessitam de intervenção farmacológica para amenizar os sintomas.

Em relação à terapia, o acompanhamento psicanalítico pode ser bastante eficaz. A psicanálise busca acessar conteúdos que estão presos no inconsciente da mente humana e que já não são mais recordados pelo indivíduo. Muitas vezes, é ali que está a raiz de todo o sofrimento.

Portanto, o transtorno Borderline é uma condição que precisa de intervenção especializada. Aqueles que convivem com pessoas muito instáveis ou que desconfiam de seus próprios comportamentos, devem ficar atentos aos sinais e sintomas desse problema e buscar uma opinião profissional sobre o seu quadro.

Interessante esse tema, não é mesmo? Você gostaria de saber ainda mais sobre saúde mental e psicanálise? Então siga nossas páginas nas redes sociais — Facebook, YouTube e Twitter — e acompanhe novos conteúdos.

1 comentário para este post
  1. Muito bom artigo ,tenho acompanhado todos e mails que recebo e analisando os para minha conduta como psicanalista.

Deixe uma resposta