Saiba quais as diferenças entre psicólogo, psiquiatra e psicanalista

Quando uma pessoa passa por algum trauma, enfrenta problemas para se relacionar com indivíduos a sua volta, demonstra alterações de humor, estresse excessivo ou qualquer outro problema de cunho emocional ou mental, podendo ainda refletir em sua saúde física, é comum receber orientação para que procure um profissional e faça terapia.

Nesses casos, diferenciar psicólogo, psiquiatra e psicanalista pode gerar muitas dúvidas, já que todos eles estão ligados à saúde mental. Mas cada um desses profissionais tem como função ajudar e orientar de maneira muito específica cada caso que chega aos seus consultórios.

Psicólogo, psiquiatra e psicanalista: quem são e como atuam?

As diferenças entre psicólogo, psiquiatra e psicanalista vão desde a formação acadêmica, passando por diferentes modos de compreender o ser humano, até a atuação no mercado de trabalho, tendo como consequência diferentes tipos de tratamento oferecidos ao paciente.

Psicólogo

Para se tornar um psicólogo e atender em clínicas ou consultórios particulares é necessário se formar no curso de psicologia, que tem duração média de 5 anos. Além de clinicar, esse profissional pode atuar na área esportiva, social, educacional, organizacional, entre outras.

O psicólogo é indicado para tratamento de pacientes que passam por dificuldades emocionais — como perda de entes queridos, demissão, estresse pós-parto, acidentes, violência física etc. —, têm bloqueios sociais, apresentam quadros de depressão, fobias ou alteração constante de humor.

Em suma, o psicólogo é recomendado para orientar e ajudar o paciente a resolver problemas emocionais e comportamentais. Por meio da intervenção verbal, ele aponta ao paciente suas fraquezas, desmembra as causas de seus bloqueios e medos e o faz analisar como, através de mudanças em seu comportamento e em suas atitudes, pode mudar e melhorar a forma como convive consigo mesmo e em sociedade.

Psiquiatra

O psiquiatra é um médico que, após a formação em medicina, se especializa na área da psiquiatria por mais 2 ou 3 anos de estudos e treinamento em hospitais, clínicas e demais instituições que atuam no tratamento de pacientes que apresentam distúrbios mentais.

Pacientes com problemas como depressão, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno bipolar e psicoses devem receber tratamento de psiquiatras.

Dentre os três profissionais o psiquiatra é o único que pode receitar medicamentos para auxiliar no tratamento de doenças de cunho mental. O médico psiquiatra também cuida dos efeitos físicos e orgânicos relacionados às doenças mentais. Cabe a ele, por meio de análises, exames e avaliações clínicas, determinar o que está causando tais distúrbios em seus pacientes e, dessa forma, orientar qual o conjunto de tratamento mais eficaz para cada caso.

Mesmo para pacientes que estão em tratamento com um psicólogo, quando necessário, o profissional de psicologia pode recomendar consulta com um psiquiatra para que realizem o tratamento em conjunto.

De sua parte, o psiquiatra também pode recomendar que o paciente trate com um psicólogo ou um psicanalista, gerando um trabalho em conjunto entre essas especialidades, a fim de acelerar a busca por resultados e devolver ao paciente a normalidade de sua rotina.

Psicanalista

O psicanalista estuda e atua de acordo com os conceitos introduzidos pelo austríaco Sigmund Freud, tais como inconsciente, transferência e associações livres. Esse profissional pode ter formação em diversas áreas de nível superior e, em muitos casos, ele já é um psicólogo ou um psiquiatra que decide se especializar na área da psicanálise, devendo procurar, para isso, uma instituição de estudos psicanalíticos.

A psicanálise é um tratamento que estimula o paciente ao autoconhecimento. Através dela o profissional tenta descobrir as razões pelas quais o paciente está sofrendo com determinada situação e juntos tentam compreender o motivo pelo qual ele não consegue dar um passo adiante em sua vida profissional ou pessoal.

A psicanálise ajuda o paciente a compreender as razões de suas ações e as consequências que elas trazem para o seu convívio pessoal e social. É um estudo de si mesmo, das relações cultivadas e de como o subconsciente age em cada um.

Tem interesse em atuar em alguma dessas áreas ou gostaria de nos contar sua experiência como um desses profissionais? Deixe um comentário e compartilhe conosco!

1 comentário para este post
  1. Creio que faltou comentar a formação profissional do psicanalista. O tempo de estudo necessário em uma instituição psicanalítica, a análise pessoal terapêutica/didática do futuro profissional e ainda os ciclos de supervisão necessários para a conclusão de sua formação.
    Marco Ajurélio Pires
    Psicanalista

Deixe uma resposta