Por que algumas mulheres preferem homens “cafajestes”?

“Fazer o que se ela gosta de sofrer e só se relaciona com homens cafajestes?” — você possivelmente conhece alguém assim, ou já escutou essa expressão.

Pois é, se pararmos para refletir sobre as escolhas amorosas que fazemos, não encontramos respostas óbvias: o que desperta nosso interesse em outra pessoa? Quais características nos atraem? Qual é o nosso verdadeiro desejo: segurança e estabilidade emocional ou aventura, intensidade e paixão? Aqui pairam as interrogações!

Mas, por trás de todas essas dúvidas se revela uma certeza: não conseguimos compreender nossos próprios desejos, eles são concebidos por detalhes e regidos pelo inconsciente. Então, vamos explorar um pouco mais esse tema? Continue a leitura!

O que significa ser um homem cafajeste?

O termo “homem cafajeste” sugere uma característica negativa, uma falha de caráter. Mas, se seguirmos além dessa dicotomia de “certo e errado, bom e mau”, veremos que o que existe é uma diferença de valores e a incompatibilidade de objetivos.

O cafajeste não é uma pessoa totalmente mal intencionada, que pretende destruir corações por onde passa. É mais fácil compreendê-lo como um aventureiro, guiado por suas emoções e pelo prazer de viver intensamente.

Ao entrar em uma relação, o homem cafajeste está desfrutando do sentimento que o impulsiona aqui e agora, sem visão de futuro, sem avaliar consequências. Mas, quando o fogo começa a abrandar, ressurge também o seu jeito característico de agir, baseado em:

  • inconstância;
  • falta de comprometimento e dedicação de tempo;
  • pluralidade de compromissos que não incluem a parceira;
  • não priorização da relação;
  • foco apenas nos próprios prazeres;
  • desconsideração do sentimento alheio;
  • incongruência entre falar e agir.

Alguns homens que se enquadram nessa definição podem agir de forma proposital, enquanto outros têm boas intenções, mas simplesmente não conseguem mudar seus hábitos e personalidade.

As escolhas amorosas são influenciadas pelas vivências da infância?

As experiências vividas nas primeiras relações afetivas, estabelecidas desde o nascimento, ficam arquivadas em nosso inconsciente e são refletidas nos relacionamentos que construímos ao longo da vida.

Nas relações primárias, começamos a internalizar o significado do amor, a segurança que ele pode (ou não) nos proporcionar, e se somos dignos e merecedores desse afeto.

Acolhimento, rejeição, carinho, proteção, abandono — tanto as boas sensações quanto as angústias vividas na primeira infância são referências que temos para a formação de novos vínculos afetivos. Assim, ou buscamos no parceiro sensações semelhantes às que tivemos no passado, ou esperamos encontrar uma versão idealizada dessas relações.

Quais outros conceitos estão relacionados à preferência por homens cafajestes?

Bom, um tema tão complexo quanto esse requer uma análise aprofundada para total compreensão. Contudo, podemos abordar alguns conceitos que estão associados às nossas escolhas:

Autossabotagem

Freud acreditava que possuímos um campo de “irracionalidade” em nosso aparato psíquico, que dá origem aos padrões de pensamento e comportamento que prejudicam a nós mesmos, mesmo que de forma inconsciente.

Ainda que nos tragam sofrimento, tendemos a repetir os mesmos erros, o que nos coloca num ciclo de busca pelo prazer — frustração — desprazer.

De modo simbólico, Freud atribuía tal irracionalidade à prevalência de Tânatos (pulsão de morte) sobre Eros (pulsão de vida), definidas como duas forças opostas que agem em nossa mente.

Narcisismo

Existem, segundo Freud, dois caminhos que nos levam a uma escolha amorosa: o tipo “anexador” — a escolha de alguém que protege, ampara — e o narcisismo.

A escolha narcisista nos leva à procura de alguém semelhante a nós, ou de como gostaríamos de ser, o nosso “eu idealizado”. Isso indica que buscamos no outro o reflexo de nós mesmos, mas sem os nossos defeitos.

Masoquismo

Partindo desse conceito, mulheres que preferem homens cafajestes estariam dispostas a manter relacionamentos não saudáveis pelo pouco ganho e prazer que representam, apesar das dores que estão assimiladas aos prazeres.

A relação entre prazer e poder, domínio e submissão, também pode ser avaliada por esse prisma. Contudo, para conhecer profundamente a origem da preferência por homens cafajestes, é necessário desnudar a si mesma e descobrir as verdades que estão guardadas em cada interior. E, nesse sentido, a análise é o melhor caminho para o autoconhecimento e para a formação de vínculos saudáveis!

Então, gostou do post? Qual é a sua opinião sobre isso? Deixe o seu comentário, participe!

2 comentários para este post
  1. Muito interessante. A Psicanálise só é baseada em Freud?
    O que é psicanálise integrativa ?

Deixe uma resposta para SBPI Cancelar resposta