O papel da psicanálise no tratamento de psicopatologias

Essencial em casos de diagnóstico e tratamento de patologias da mente, a psicanálise tem a grande contribuição de auxiliar a população a tratar os impulsos e conflitos anormais que se originam nas emoções e pensamentos. Mas, afinal, qual o papel do psicanalista no tratamento de psicopatologias? A seguir, entenda melhor a importante função desse profissional nessa área. Vamos lá!

O papel do psicanalista

Ao contrário do que muitos pensam, o profissional da psicanálise pode ser graduado em qualquer área do ensino superior ou, até mesmo, ter apenas o ensino médio concluído, sendo uma profissão bem acessível. Apesar disso, os psicanalistas costumam ser formados em psicologia ou psiquiatria.

Para os tratamentos, os psicanalistas baseiam seus procedimentos na base teórica do famoso Sigmund Freud, que utilizou conceitos da biologia, da neurociência e da física para formular suas teses. A psicanálise não tem grau de ciência, mas, com base em outras ciências, o profissional pode auxiliar no diagnóstico de psicopatologias.

Psicopatologia

Trata-se do estudo sistemático em torno do comportamento, cognição e vivências anormais do ser humano, em outras palavras, se atém às peculiaridades de uma mente com transtornos mentais. Essa área inclui também as doenças explicativas, baseadas em conceitos teóricos, e a classe das descritivas, focadas na categorização de experiências anormais, tanto as comunicadas pelos pacientes, quanto as observadas e diagnosticadas por profissionais da área.

Ligada a diversas vertentes, a psicopatologia é foco de estudos nas disciplinas de psicologia, psiquiatria e corpo teórico psicanalítico. Originada no grego, a palavra “psicopatologia” é composta por três termos: psique (alma ou mente), pathos (paixão, sofrimento ou doença) e logos (lógica ou o conhecimento).

Em resumo, a psicopatologia é o campo de estudo que tem como foco os estados psíquicos da mente com viés clínico, ou seja, no diagnóstico e tratamento.

Tratamento de psicopatologias

São inúmeros os tipos de psicopatologias documentadas atualmente e, cada vez mais, esses distúrbios são verificados na população. Entre eles, há ansiedade, fobias, pânico, obsessão e compulsão, depressão, perturbações do sono e bipolaridade.

Apesar do grande número de patologias, levando em consideração a presença e a ação do inconsciente, o psicanalista é aquele profissional que interpreta os conteúdos inconscientes das palavras, das ações e do imaginário das pessoas.

De acordo com o site Psiquiatria Geral, um exemplo de psicopatologia é, no caso de um paciente delirante, o psicanalista descrever aquilo em que o indivíduo acredita e como é sua experiência de crença naquele objeto, pessoa ou ideia. O profissional deve levantar as evidências desse delírio, analisando o significado dessa psicopatologia para o contexto vivido pelo paciente.

Dessa forma, a partir dessa coleta de evidências, o psicanalista pode definir se a crença tem características de um delírio e, se sim, de qual tipo se trata. Depois dessa avaliação, os dados constatados podem contribuir para um diagnóstico preciso e tratamento terapêutico.

O objetivo deste artigo foi explicar como funciona o tratamento das psicopatologias com a psicanálise, além de abordar o que é a psicopatologia.

Gostou do tema? Então compartilhe este conteúdo nas suas mídias sociais e ajude outras pessoas a entender melhor o que são as psicopatologias!

Deixe uma resposta