Entenda quais são os principais tipos de medo e como tratá-los

O medo é um sentimento natural e necessário para todos nós. Evolutivamente, ele foi importante para a sobrevivência da espécie ao fazer com que tomássemos cuidado em situações de perigo.

Contudo, existem casos em que o medo pode se tornar patológico. Quando esse estágio é atingido, o medo pode se manifestar de forma mais intensa do que o necessário e estar associado a coisas que não são um perigo real.

Mas, então, quais são os principais tipos de medo? Como podemos tratá-los? Como a Psicanálise pode ajudar? Confira as respostas a essas e outras perguntas a seguir!

Quais são os tipos de medo mais comuns?

Os tipos de medo mais comuns são de: altura, ficar doente, sangue, morrer, água, falar em público, voar, lugares fechados e escuro. Alguns tipos de medo não estão ligados a ameaças reais, mas causam muita dor de cabeça no dia a dia.

Você conhece alguém que sente medo intenso de baratas? Essas pessoas sobem em cadeiras, gritam e não conseguem se livrar sozinhas dos insetos. Apesar de ser um medo comum, ele não se justifica, pois as temidas baratas não colocam nossa vida em risco. Elas não podem nos machucar nem estão com o intuito de atacar a qualquer momento.

O que caracteriza o medo patológico é a intensidade com que ele se apresenta. Mesmo associado a perigos reais, como o medo de ser sequestrado, quando impossibilita que a pessoa realize atividades diárias, como ir ao trabalho, ele merece atenção especial.

Quais são as causas do medo?

Especialistas acreditam que a causa do medo está fortemente associada com o histórico familiar de cada pessoa. Isso se refere a fatores hereditários, mas também a padrões que são aprendidos.

Por exemplo, se uma criança vê sua mãe gritando em cima de uma cadeira quando vê um rato, ela vai aprender que aquilo é algo do qual se deve ter medo e provavelmente também terá medo de ratos no futuro.

Os diferentes tipos de medo também podem estar relacionados a traumas anteriores. Provavelmente você conhece alguém que foi mordido por um cachorro na infância e, mesmo depois de vários anos, ainda tem medo de todo e qualquer cachorro que se aproxima.

Como é possível tratar?

Em situações de medo, o cérebro libera substâncias para todo o corpo se preparar para lutar ou fugir. Os músculos se enrijecem, o coração dispara e sua atenção se volta totalmente para a situação de perigo. No longo prazo, isso pode causar danos à saúde, por isso é importante buscar ajuda.

O tratamento para os variados tipos de medo pode ser feito com uso de medicamentos como antidepressivos, sedativos e betabloqueadores. Terapias também têm papel-chave e os psicanalistas são fortemente indicados para a condução da intervenção.

É possível usar hipnose e dessensibilização. Nesses processos, a pessoa é convidada a, aos poucos, entrar em contato com o estímulo fóbico até que aquilo se torne algo normal.

Assim, por exemplo, se você tem medo de aranhas, o terapeuta pode iniciar o tratamento mostrando uma foto de aranha. Depois que a pessoa já estiver habituada à foto, ele mostra uma aranha de brinquedo. Esse processo segue gradativamente até chegar ao ponto de a pessoa não entrar em desespero ao ver uma aranha de verdade.

Sem dúvidas, todos nós temos algum tipo de medo em menor ou maior grau. Justamente por ser uma coisa tão comum em nossas vidas, é um tema relevante que desperta interesse. Você tem algum amigo que apresenta um desses tipos de medo? Compartilhe este texto em suas redes sociais e ajude mais pessoas a entenderem sobre os medos delas!

Deixe uma resposta