Como lidar com um trauma através da psicanálise?

Quando nos aprofundamos no estudo de psicanálise, nos deparamos com o conceito de trauma que, muitas vezes, pode trazer dificuldades para os psicólogos que ainda não conhecem a fundo a psicanálise. Mas, afinal, o que é o trauma e como ele se forma na psique do analisando?

Com o intuito de ajudar você a compreender a experiência traumática de cada pessoa, desenvolvemos este artigo com as principais informações sobre o trauma para a psicanálise. Boa leitura!

O que é o trauma para a psicanálise?

Cada sujeito tem uma maneira de reagir às situações vividas. Desde formas tranquilas até as agressivas, nossas atitudes podem ser originadas em situações que experimentamos no passado.

Mas o que isso quer dizer? Quando alguém passa por qualquer experiência que seja — boa ou ruim —, cria memórias que se tornam inconscientes e ficam registradas na sua psique. Essas memórias originam os comportamentos, os pensamentos e as atitudes do indivíduo ao longo da sua história.

Da mesma forma que isso acontece com as experiências positivas, também ocorre com as vivências negativas que uma pessoa sofre, o que ocasiona o trauma. Nesse sentido, as memórias desse momento ficam guardadas no inconsciente e podem vir à tona como sintomas quando o sujeito vive uma situação similar.

Em outras palavras, quando uma pessoa passa por alguma experiência ruim em sua vida, ela retém essa vivência no seu inconsciente. Assim sendo, ao se deparar com situações parecidas em outro momento da sua história, pode recordar sua experiência e desenvolver uma série de sintomas que geram angústia e desconforto.

Quais são os sintomas que aparecem?

Para a psicanálise, os sintomas são as expressões singulares dos conflitos psíquicos que cada sujeito tem, ou seja, a demanda real do analisando.

Eles podem surgir nas mais variadas formas: desde dores físicas, como somatização, até mudanças sociais e psíquicas, como irritabilidade, ansiedade, tristeza profunda, queda na produtividade etc.

Por exemplo, quando alguém passa por um trauma, pode encontrar seus sintomas anos depois, em uma situação que serve como gatilho para trazer as memórias à tona, mesmo de que forma inconsciente.

Assim, à primeira vista, um comportamento agressivo no trânsito pode não ser nada além de uma irritabilidade momentânea, porém, quando analisado, sua origem pode vir de um trauma não trabalhado.

Como a psicanálise lida com os traumas?

A psicanálise compreende o trauma como uma experiência predominantemente infantil. Isso quer dizer que a experiência negativa original, via de regra, aconteceu durante a infância do paciente, ficando marcada no seu aparelho psíquico.

Os sintomas que surgem depois de uma experiência negativa similar à original são trabalhados dentro da clínica, explorando o conteúdo psíquico traumático do indivíduo e identificando as angústias não nomeadas por meio da livre associação.

Nesse sentido, o sujeito toma consciência da sua experiência, elaborando-a e reintegrando-a na sua história de vida por meio da fala, para que ela não ocasione novos sintomas que gerem angústia e sofrimento para ele.

Por que é importante buscar um psicanalista?

No tópico anterior, você pôde entender como a psicanálise trabalha com o trauma no consultório. Mas, afinal, é realmente necessário ter apoio nesse momento?

Embora algumas pessoas tenham recursos psíquicos para lidar com suas dificuldades, na maioria das vezes o trauma atravessa a vida do sujeito de forma descontrolada, causando intenso sofrimento — que muitas vezes não tem sentido para o indivíduo.

Ao realizar a análise, ele consegue elaborar seu trauma com mais facilidade, identificando as vivências que passou e as dores que sofreu em um ambiente seguro e acolhedor, construído para a expressão livre das suas angústias e dos seus anseios.

Entender o que é o trauma para a psicanálise e como ele acontece é fundamental para desenvolver uma abordagem aprofundada e proporcionar uma análise satisfatória para o paciente. Isso contribui diretamente para aperfeiçoar o seu trabalho.

Então, gostou do nosso artigo? Que tal receber mais conteúdos como este na sua caixa de entrada? Aproveite para assinar nossa newsletter e não perder nenhuma atualização!

Deixe uma resposta