Agorofobia: o que Freud explica sobre o medo de ter medo

O termo agorafobia foi mencionado em 1871 por Westphal (1822-1890). O seu significado é medo de lugar amplo e movimentado. Mas foi mais tarde que Freud passou a conceituar os transtornos de pânico em seus escritos sobre neuroses de ansiedade.

Preocupar-se com situações que podem gerar pânico caracteriza o que corresponde a agorafobia. Lugares desconhecidos, cheios de pessoas, ambientes sem saída ou alguma ocorrência que façam as pessoas se sentir previamente encurraladas deixando-as vulneráveis, pois elas não conseguem controlar a sensação do medo de ter medo.

A agorafobia causa impactos negativos na vida do indivíduo. Ele não consegue mais ter uma interação social espontânea, já que é dominado pelo sentimento de medo e pânico de lugares fechados ou com muita gente. Em consequência, acaba se isolando da sociedade.

Sintomas

Geralmente a agorafobia surge quando uma pessoa já passou por várias experiências de crise de ansiedade, o que a faz ter medo de situações que possam oferecer algum grau de risco, mesmo que eles sejam mínimos ou inexistentes; ou caso surja algum problema, em sua mente ela se angustia por pensar que não vai conseguir ajuda.

Os sintomas mais comuns são:

  • falta de ar;

  • aumento dos batimentos cardíacos;

  • tontura;

  • suor excessivo;

  • náuseas.

Impacto nos adultos e nas crianças

Para a criança a agorafobia é semelhante à ansiedade de separação que ocorre durante a infância. A criança, na ansiedade de separação, ainda não consegue se afastar da mãe, pois não entende o que acontece ao seu redor.

Quando a mãe se ausenta por uns minutos, a criança pensa que está sendo abandonada e que não a verá mais. Com o passar do tempo, essa dificuldade de separação dos pais acabará levando-a a outras dificuldades, como problemas de adaptação na escola, na faculdade, no trabalho, dentre outros. Consequentemente, essa pessoa poderá passar a sofrer de agorafobia.

Tanto as crianças quanto os adultos estão sujeitos a sofrer com esse problema. E as consequências na vida social serão negativas, já que a escolha que eles farão é a de se isolar cada mais devido ao medo que sentem.

Tratamento

No caso da agorafobia, serão apresentadas possibilidades de tratamento pelo psicólogo ou psiquiatra, com base nos sintomas apresentados pela pessoa. Será considerado, além dos sintomas, o impacto direto que essas manifestações causam na vida dela. Dessa forma, o profissional poderá ajudar o indivíduo a encontrar uma solução e enfrentar as situações que geram ansiedade.

A prática de yoga ou meditação poderá ser indicada pelo profissional, caso perceba que isso vai ajudar. Caso necessário, algum medicamento poderá ser receitado.

A agorafobia não é algo que deve ser ignorado, é um distúrbio que precisa de acompanhamento profissional. Os sintomas, o tratamento ou grau com o que ocorre podem variar de pessoa para pessoa, pois alguns conseguem manter sua rotina apesar do problema. No entanto, outros chegam ao ponto de se sentirem incapazes em consequência do medo que têm dos ambientes que não conhecem.

Você curtiu o nosso texto sobre agorafobia? Então continue com a visita em nosso blog, leia agora mesmo o texto “Como o psicanalista atua no tratamento da síndrome do pânico” e saiba mais!

Deixe uma resposta